História da Asa Delta

A Asa Delta e a sua prática é, talvez, um dos sonhos mais antigos da humanidade: imitar o voo dos pássaros. Neste desporto, o homem é capaz de planar no ar, assim como subir para níveis mais altos da atmosfera e sem recurso a qualquer mecanismo propulsor. Como é possível tal “milagre”? Esse é um dos principais segredos desta disciplina do voo livre: a capacidade de procurar a força térmica das colunas de ar ascendente. Conheça a história da Asa delta e acompanhe o único desporto que envolve adrenalina na subida e não apenas na descida ou no planar.

A origem da Asa Delta

Muito antes de surgir como desporto oficial, a Asa Delta teve como percursor o alemão Otto Lilienthal que terá construído um planador, tornando-se assim num dos mais famosos pioneiros da aviação. Esta sua criação deu origem a muitas outras novas invenções.

A invenção da asa triangular

Em 1948, o investigador da NASA Francis Rogallo, inventou uma asa triangular muito flexível e com capacidade para planar. Porém, o seu projeto “ficou na gaveta”, uma vez que não houve nenhum fabricante que acreditasse na comercialização do respetivo produto.
Mais tarde, nos anos 70, na Austrália, um colega de Rogallo, Bill Moyes, conseguiu que a primeira Asa Delta fosse produzida e, à conta disso, adquiriu alguma popularidade nas praias da Califórnia, nos Estados Unidos da América (EUA), local onde foi testado. Estes primeiros praticantes aperfeiçoaram o equipamento e melhoraram a resistência e a aerodinâmica da engenhoca.

O primeiro Campeonato do Mundo de Asa Delta

Em 1972, Mike Harker, um dos melhores praticantes de Asa Delta da altura, levou o desporto para a Europa e em 1975, na região de Tirol, na Áustria, realizou-se o primeiro campeonato do mundo de Asa Delta. A partir desse momento, o crescimento e a divulgação da modalidade fez com que este desporto ficasse conhecido e praticado em toda a parte.

Como se pratica a Asa Delta

A Asa Delta e o Parapente são as duas disciplinas que compõem o voo livre, uma vez que ambas partilham o objetivo de voar graças à ajuda das forças da natureza. Na Asa Delta, o navegador fica preso à asa delta propriamente dita por um cinto de couro e segura-se a uma haste metálica em forma de trapézio.
A partir do alto de uma montanha, falésia, encosta ou colina, o navegador lança-se no ar praticando três tipos de movimentos: procurando as referidas colunas de ar ascendente para ganhar altura, planar e descer até aterrar numa zona plana próxima do sopé da montanha de onde partiu. O silêncio do planar, a adrenalina da subida e a perícia na descida e aterragem constituem os desafios e as emoções maiores deste desporto.

As competências necessárias para a prática da Asa Delta

A Asa delta é um desporto extraordinário que tem 2 classes distintas (a classe das asas flexíveis e a classe das asas rígidas). Ambas exigem bastante força física para dominar ou usar o vento e as pressões de ar mais fortes a favor do navegador.

Para praticar a Asa Delta, é fundamental ter uma grande capacidade intelectual para interpretar as características do meio que se enfrenta: a força do vento, o nível de pressão atmosférica e a procura das correntes ascendentes. Todos os navegadores terão de ter um poder de reação muito rápido perante as condições adversas que podem surgir do nada e é por isso que esta modalidade não é aconselhável a menores de 15 anos de idade (ainda não têm maturidade suficiente para tal).

Além da capacidade física e mental, é necessário que o praticante tenha uma preparação teórica exaustiva antes de iniciar a prática da modalidade para que possa interiorizar todas as regras de segurança e movimentos essenciais. Uma aprendizagem eficaz não pode fazer-se sem um curso teórico e prático. São necessários conhecimentos fundamentais de aerodinâmica, meteorologia e regras de pilotagem.