O que é um curso ASL no paraquedismo?

Independentemente da escola e do local onde realizar um curso de paraquedismo, o curso ASL (Accelerated Static Line), ou Linha Estática Acelerada (LEA) é um dos métodos mais eficazes no ensino do paraquedismo. Este método de ensino auxilia todos os aspirantes a paraquedistas a saltar corretamente de um avião. À medida que os saltos vão aumentando, o aluno sente-se mais confiante e seguro das suas capacidades em queda livre e no paraquedismo que possa praticar.
Trata-se de um dos cursos mais apreciados por todos os praticantes, uma vez que a aprendizagem deste desporto de aventura é feita de uma forma progressiva e evolutiva.

A componente teórica e prática do curso ASL

O curso ASL é dividido em duas componentes de extrema importância: A componente teórica e a prática.
Na componente teórica (usualmente 8 a 10 horas), os alunos assimilam todos os procedimentos técnicos do paraquedismo, conhecem o equipamento que vão utilizar durante o seu salto (o equipamento mais utilizado é o Student, pois tem todos os dispositivos de segurança para saltos de instrução), aprendem a posicionar o corpo no momento da descida, interiorizam como devem sair do avião e toda uma série de informações importantes que visam não comprometer a segurança do salto.
A parte prática diz respeito ao salto propriamente dito. Trata-se de um conjunto mínimo de 16 saltos, onde um aluno coloca em prática todos os conhecimentos teóricos apreendidos e, salto a salto, vai adquirindo o nível técnico ideal para se tornar um verdadeiro paraquedista.

Todos os saltos são vigiados de perto por dois instrutores, nomeadamente um instrutor aéreo que se certifica que o aluno está a realizar todas as manobras corretas e um instrutor de solo que monitoriza a navegação do aluno através de um rádio que está preso ao seu capacete.

Nos primeiros saltos de pára-quedas o aspirante a paraquedista tem uma fita estática que liga o seu pára-quedas ao avião. Depois de saltar do avião, o aluno fica em plena queda livre durante um período de 5 segundos, que é o tempo que a fita demora a alongar. Depois de a fita estar toda esticada, ela como que “parte”, acionando a abertura automática do pára-quedas. Estes saltos são conhecidos como saltos “enganchados”, pois o aluno está como que “pendurado” ao avião.
Trata-se de um exercício excelente, pois faz com que o aprendiz se habitue à altitude e permite-lhe adotar o melhor posicionamento e colocação do corpo ao longo da descida.
À medida que o aluno vai cumprindo os objetivos traçados, vai avançando de nível e à medida que avança para uma etapa mais avançada, maior será o grau de dificuldade.

As etapas de formação do curso ASL

Para que um aluno consiga realizar o curso de ASL é necessário que cumpra as três etapas que constituem este curso. São elas:

Primeira etapa: Familiarização com o equipamento e com o momento do salto. Esta etapa é o primeiro nível para todos os que almejam ser paraquedistas sendo o objetivo principal ensinar os alunos a saírem corretamente do avião e a adotarem a melhor posição em queda livre. Esta etapa é constituída por três saltos enganchados e eles realizam-se a uma altura de 4000 pés (1.300 metros);

Segunda etapa: Simulação de comando. Os alunos adquirem as rédeas do salto de pára-quedas e fazem-no da maneira mais autónoma possível. Sempre acompanhados pelos instrutores e com a ajuda de um punho falso, os alunos simulam a abertura do pára-quedas e aprendem como eles funcionam e se comportam no momento e durante o salto. A segunda etapa é também composta por três saltos enganchados a uma altura de 4000 pés (1.300 metros);

Terceira etapa: Queda livre . A última etapa tem a assistência direta do instrutor da escola de paraquedismo e obriga a que o aluno salte de pára-quedas sem o auxílio da fita estática de abertura automática. Nesta fase, o aluno realiza um mínimo de 10 saltos e ao longo da descida, abre o pára-quedas manualmente. Aprende também a realizar a queda livre de uma forma estável, a dobrar o pára-quedas e a verificar todo o equipamento. À medida que vai saltando, a altura dos saltos e o tempo em queda livre vai aumentando, sendo que a altura máxima é de 10.000 pés (3.048 metros), o que garante cerca de 40 segundos em queda livre. Caso não seja alcançado os objetivos do salto, o aluno terá que o repetir.

A realização deste curso, nomeadamente a componente teórica juntamente com o primeiro salto em queda livre, tem o custo aproximado de 225 euros/498 reais e cada salto adicional custa em média 95 euros/ 210 reais. Em termos totais, o curso completo, contabilizando apenas 16 saltos, tem o custo médio de 1.100 euros/2.440 reais.
O programa é assim estruturado para que o aluno cumpra os objetivos de uma determinada etapa antes de avançar para a próxima. No final de todas as etapas realizadas com sucesso, o aluno deixa de ser aprendiz e consegue saltar de pára-quedas sozinho, sem a ajuda dos instrutores da escola de paraquedismo. Mais tarde, com a acumulação de saltos de pára-quedas (mais de 30), o paraquedista passa a ser licenciado e integra a categoria A do paraquedismo.

Os objetivos principais a alcançar

Para a realização de um curso ASL, um aluno necessita de atingir determinados objetivos para ser considerado um paraquedista. Dos principais objetivos, destacam-se os seguintes:

  • Realizar queda livre e apresentar um bom domínio do salto vertical e horizontal;
  • No total dos saltos, o aluno deve acumular um mínimo de 5 minutos de queda livre;
  • Deve ser capaz de realizar o seu próprio salto de forma autónoma e pousar a 50 metros do ponto previsto para a aterragem. É um teste à precisão do paraquedista;
  • Conseguir dobrar corretamente o seu pára-quedas principal;
  • Saber realizar as inspeções obrigatórias do equipamento antes de estar a bordo do avião;
  • Nos testes escritos, o aluno deve ter no mínimo 80% de respostas certas.

Nacional: