O voo do parapente e o seu planeio

O parapente é um desporto notável graças à sua capacidade de voo e pelo facto de levar as emoções das pessoas ao rubro. Conheça como começa o voo do parapente e saiba que a sua capacidade de voo está intimamente ligada à força de planeio que apresenta.

O começo do voo

Para começar a voar, basta que o piloto se posicione na encosta de uma montanha e à medida que se vai deslocando no espaço, o ar vai embatendo no velame e, assim que a velocidade do ar for suficiente, isto é quando atingir os 25 a 30 km/h, o paraglider levanta voo por ele próprio.

No parapente a posição de voo é sentada. O piloto senta-se na selete, ou às vezes vai deitado com a parte da frente do corpo virada para cima, como se estivesse a dormir uma “soneca de barriga para o ar”. Posteriormente, a deslocação do parapente no ar acontece graças à existência das térmicas na atmosfera, que são correntes de ar quente que possibilitam a ascensão do parapente aos céus. Ao longo desta subida a velocidade que o voo atinge varia entre os 15 e os 45 km/h.

O planeio do parapente

O parapente apresenta uma força de planeio de aproximadamente 9:1, isto quer dizer que ao realizar 9 metros de viagem, o parapente desce um metro de altitude. Por outro lado, a falta de velocidade e de planeio impedem a fuga rápida das zonas descendentes e das zonas com muita turbulência e este é o grande ponto negativo do parapente.

Porém, esta lentidão no arrasto também é vantajosa quando é chegado o momento de aterrar. O parapente consegue pousar num espaço de curtas dimensões e com grande precisão. Prova disso mesmo são os campeonatos que se realizam ao nível da precisão de aterragem.